CONSELHOS
 
I – CÃES
Necessidade
Para que o seu cão se mantenha saudável torna-se necessário e importante vaciná-lo. Com efeito, as vacinas protegem contra inúmeras doenças. As vacinas têm princípios activos (antigénios) que estimulam a produção de anticorpos contra esses determinados antigénios.
 
Primovacinação
A primovacinação (conjunto inicial de vacinas) pode iniciar-se às seis semanas do cachorro. O esquema utilizado pode depender da idade do cachorro quando inicia a sua vacinação, mas inclui sempre mais que uma dose de vacina (reforços). Enquanto se processa a primovacinação e até cerca de dez dias após o último reforço, o cachorro não poderá andar na rua (só ao colo), nem contactar com cães que não se saiba se possuem vacinas pois ainda não está protegido.
 
Vacinas
O cão deve ser vacinado contra a parvovirose, esgana, hepatite infecciosa, leptospirose, tosse do canil e raiva. Pode também vacinar-se contra a babesia (piroplasmose – febre da carraça). Não esquecer que a vacina contra a raiva é obrigatória em Portugal.
 
Vacinação
Todos os animais têm de ser observados pelo médico veterinário antes de serem vacinados pois só pode ser vacinado um animal que se apresente saudável. E não se esqueça que não deve dar banho ao seu cão nos 10 a 15 dias seguintes à vacina.
 
Desparasitação
O cão tem de ser desparasitado interna e externamente.
 
Desparasitação interna
A desparasitação interna deve ser feita contra as lombrigas e as ténias e consiste na administração oral de desparasitantes. Deve desparasitar-se de 15 em 15 dias até aos dois meses de idade, uma vez por mês até aos seis meses e de 4 em 4 meses a partir daí.
 
Desparasitação externa
Devemos desparasitar externamente o nosso animal pois as pulgas e as carraças podem ser transmissores de doenças. Os mosquitos também podem transmitir doenças tais como a leishmaniose e a dirofilariose. A partir dos dois meses aconselha-se uma desparasitação externa regular de modo a manter o seu animal livre de pulgas e carraças. Para prevenir a leishmaniose pode utilizar coleiras repelentes do mosquito ou pipetas adequadas. A prevenção da dirofilariose pode ser efectuada através da administração de um comprimido mensal. Contudo, antes de iniciar esta prevenção, tem de efectuar um rastreio através de uma análise sanguínea.
 
Vida reprodutiva
A puberdade é atingida nas cadelas cerca de 7/8 meses de idade. As cadelas de raça pequena podem apresentar o primeiro cio a partir dos seis meses de idade. Nas cadelas de raças grandes é mais comum a partir dos 9/10 meses. O cio tem uma duração de cerca de três semanas e inicia-se com um corrimento vaginal sanguinolento apresentando-se a vulva inchada. As fêmeas têm geralmente 2 cios por ano com intervalo de 6 meses podendo este intervalo oscilar até um ano. O método contraceptivo mais eficaz é a castração (ovariohisterectomia nas cadelas) que, quando realizada antes do primeiro cio ou entre o primeiro e o segundo, reduz acentuadamente o risco de desenvolvimento de tumores mamários. Previne também a pseudogestação (gravidez psicológica) e as infecções uterinas (piómetras). O uso de outros métodos contraceptivos (pílulas orais ou injectáveis) não é aconselhado, pois podem apresentar riscos para a saúde do animal (infecções uterinas e tumores mamários).
 
Microchip
O microchip é um dispositivo electrónico que é aplicado no lado esquerdo do pescoço do animal através de injecção sob a pele. Esse dispositivo contém um número que identifica o seu animal e que pode ser lido através de um leitor apropriado. A sua aplicação é obrigatória para todos os cães nascidos a partir de 1 de Julho de 2008 e segundo o Decreto-Lei nº 313/2003, a sua aplicação é também obrigatória desde Junho de 2004 para Cães de raças potencialmente perigosas:
- Rottweiler, Pit Bull Terrier, Cão de Fila Brasileiro, Dogue Argentino, Staffordshire Terrier Americano, Stafforshire Bull Terrier, Tosa Inu
Cães de caça, Cães de exposição para todos os cães registados no Clube Português de Canicultura. Hoje em dia também é muitas vezes obrigatório para os animais que viajam para fora do país.
 
 
II – GATOS
Vacinação
Necessidade
Tal como os cães, é muito importante manter o seu gato vacinado para que este se mantenha saudável e livre de doenças. Com efeito, as vacinas protegem contra diversas doenças. Contêm princípios activos (antigénios) que, quando inoculados, vão estimular a produção de anticorpos contra esses antigénios.
 
Esquema de Vacinação
As primeiras vacinas podem iniciar-se às 8 semanas e o gatinho só estará vacinado cerca de 10 dias após o último reforço. Os gatos podem ser vacinados contra a rinotraqueíte (herpes vírus), panleucopénia, calicivirose, clamidiose e leucemia felina. Em alguns casos, nomeadamente quando viajam para fora, pode haver necessidade de vacinar contra a raiva. Para serem vacinados, os animais têm de se apresentar bem de saúde pelo que devem ser consultados previamente pelo seu médico veterinário.
 
Desparasitação
O gato deve ser desparasitado internamente contra as lombrigas e as ténias e externamente contra as pulgas e, se necessário, contra as carraças.
 
Desparasitação Interna
A desparasitação interna deve ser regular. Desparasite sempre de 15 em 15 dias até os dois meses de idade do gatinho. Depois desparasite todos os meses até os seis meses. Depois dos seis meses desparasite sempre de 4 em 4 meses. A desparasitação é feita através da administração de um desparasitante ou através da aplicação de um “spot on” (pipeta) no caso de gatos mais complicados.
 
Desparasitação Externa
A desparasitação externa pode ser feita através da aplicação mensal de uma pipeta, de acordo com o peso do gato.
 
Higiene
O seu gato deve ser escovado com regularidade para evitar a formação de bolas de pêlo no estômago e intestino. Na época de muda do pêlo ou se o gato apresentar alguma caspa, podem utilizar-se suplementos de ácidos gordos. Aconselhe-se com o seu médico veterinário sobre a utilização de um a pasta para as bolas de pêlo.